Fórmula de Calcedônia

Escrita em 451.

Portanto, fiéis aos santos pais, todos nós, unânimes, ensinamos que se deve confessar um único e mesmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, perfeito quanto à divindade e perfeito também quanto à humanidade; verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem, constando de alma racional e de corpo.

Consubstancial com o Pai, quanto à divindade, e consubstancial a nós quanto à humanidade; em todas as coisas semelhante a nós, exceto o pecado.

Quanto à divindade, gerado do Pai antes dos séculos; quanto à humanidade, gerado, por nós e para nossa salvação, da virgem Maria, mãe de Deus (gr. Teótoco); um só e mesmo Cristo, Filho, Senhor, unigênito.

Que se deve confessar em duas naturezas, inconfundíveis e imutáveis, indivisíveis e inseparáveis; a distinção das naturezas de modo algum anula a união, antes, é preservada a propriedade de cada natureza, concorrendo para formar uma só pessoa e subsistência, não dividida ou separada em duas pessoas, mas um único e mesmo Filho unigênito, Deus Verbo, Senhor Jesus Cristo.

Conforme os profetas desde o princípio declararam a seu respeito, e o próprio Senhor Jesus Cristo nos ensinou, e o Credo dos pais nos transmitiu.

pexels-luis-quintero-2294880_edited_edited.jpg

Texto preparado com base em: Wayne Grudem, Teologia sistemática: Atual e exaustiva, vários tradutores (São Paulo: Vida Nova, 2006), p. 996.